LAVAGEM DO BONFIM



4

  A devoção ao Nosso Senhor do Bonfim surgiu na Bahia, em 1745, quando o comandante português da marinha Theodósio Rodrigues de Farias decidiu trazer para Salvador uma réplica da imagem do Santo, que existia na cidade de Setúbal, em Portugal. A imagem permaneceu na Igreja da Penha até 1754, quando foi erguida a Igreja do Nosso Senhor do Bonfim. A partir da construção da Igreja, a celebração ao Santo foi aumentando e o número de devotos também.

    A festa em homenagem ao Senhor do Bonfim uniu todas as religiões, católicos, judeus, mulçumanos, espíritas e, especialmente, o Candomblé. Essa religião não se relaciona com o catolicismo por questões ideológicas, porém, o Senhor de Bonfim foi comparado à uma divindade do Candomblé, o Oxalá, representado pela cor branca, que significa paz, calma e tranqüilidade. O Santo é considerado pai dessa religião. E assim, os seguidores do Candomblé também passaram a adorar o Senhor do Bonfim, participando todos juntos da organização e realização do culto. A mistura entre as religiões provou ainda mais o valor que o Santo representa para toda a população.

O culto é realizado durante nove dias, esse período de celebração é chamado de novena e termina no segundo domingo depois do Dia de Reis. A lavagem da escadaria da Igreja de Bonfim ocorre antes de terminar o período de celebração. Esse ritual é feito como um modo de agradecimento ao Santo, pois para ele os fiéis pedem proteção, saúde, paz e muitos alcançam seus pedidos. Até aqueles que não tiveram as graças alcançadas continuam persistindo, pois a fé está em primeiro lugar.

Para fazer a lavagem, todos os devotos se encontram no ponto de partida, a Igreja Nossa Senhora da Conceição da Praia, e vão até a Igreja de Nosso do Bonfim. No percurso estão presentes os devotos, as autoridades que fazem questão de participar da lavagem, blocos carnavalescos e em especial as baianas, que representam a cultura da Bahia. Elas caminham trajadas tipicamente, vestidas de branco para representar o Oxalá, carregam um vaso com água de cheiro na cabeça e flores. A escadaria é lavada com as águas carregadas pelas baianas, é um processo de purificação, ou seja, lavagem dos pecados.

    Antigamente, a Lavagem de Bonfim ocorria dentro da Igreja, mas a Arquidiocese da cidade vetou esse cerimonial, que teve de ser modificado. As baianas passaram a lavar a parte externa e as escadas. Enquanto é feito o ritual, a Igreja permanece fechada. O envolvimento de blocos carnavalescos na comemoração ao Santo foi um dos principais motivos para a mudança, pois com a  presença deles o culto não representa uma comemoração religiosa.

    A Lavagem de Bonfim tornou-se um dos principais eventos de Salvador. Agora, não se trata apenas de um ritual da cultura baiana e sim de uma festa para o mundo inteiro. Salvador recebe muitos turistas na época da Lavagem de Bonfim e a estrutura da comemoração é bem organizada para que não exista nenhum problema. No final de Dezembro já começam os preparativos para o ritual que ocorre sempre em Janeiro.

1.jpg  baianasnobonfim

 

Graziela Mendes Designs

4 comentários:

ValGouveia disse...

Você bem que podia ir né.
Aí tirava uma foto aí, vestida de baiana, no meio do povo...ia ser engraçado...rs
To brincando viu, sei que é uma tradição muito séria, vi na TV a quantidade de turista que tem por aí, isso é excelente pro estado, que realmente merece, pq é lindo!
Beijooooooo

Cida Merola disse...

É lindo Grazi!
Eu tenho mta vontade de ir, mas ainda não deu :(
Minha filha foi ano passado.

Bjos!

Laiara Lacerda disse...

oi graziel...te achei no blog da val gouveia...sou de ssa tb...vou seguir seu blog =)

tenho um blog tb: http://lindatelier.blogspot.com/

Laiara Lacerda disse...

grazielaaa hehehe errei la em cima.

bjos

Postar um comentário